quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Pateticamente sincero.








Queria não ter que assumir que estou com saudades.
Queria não assumir que tudo foi por você
e mais ainda que tudo foi totalmente sem querer. 
Num piscar de olhos.
Eu só queria congelar meus olhos dentro dos teus.
Queria te prender comigo e aceitar o fato de que não sou eu 
a dona de seus pensamentos.
Mas no fundo roubar não quero
quero apenas ganhar seu sorriso, seu abraço, suas canções, suas dores, sua vida toda
em mim.
Com todos aqueles tropeços, monstros gigantes e inquietudes crescentes e constantes.
Na verdade eu queria que fosse tão simples...
Eu e você.


Queria que você tivesse sido igual a todos os outros, pra eu saber que uma hora ou outra eu te esqueceria.
Eu queria que todas as minhas outras aventuras fizessem algum sentido
mas mal me lembro delas, porque quando elas acontecem estou muito ocupada
perdendo meu pensamento em você.
Eu continuo distante.


Eu queria te contar as vezes que eu escondi minhas dores pra tentar lutar contra as tuas.
Eu queria contar o tempo perdido, e as horas, e os dias, e principalmente as noites, mas eu sei que sentiria falta delas mais ainda.
Queria voltar naquele exato momento em que eu sabia que eu iria me render.
Eu queria te ter de novo, mas você não me pertence, e não há mais o que eu possa fazer.
Queria não ficar em cima da linha querendo ir embora, e querendo voltar e nunca mais te deixar partir.


E são tantas as coisas que eu queria...


Te ver voar mas não tão longe que eu te perca de vista.
Parei de regar meu coração com suas doses.
Agora entre sorrisos bobos, ele bate fraco, como antes de você.
E quem sabe se um dia se eu for merecedora o bastante pra ganhar um poema, uma carta, ou uma canção, eu me sinta menos ridícula
por estar assim...
pateticamente triste e irremediavelmente apaixonada.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Deveria ter sido...

Você é como parte incompleta de mim
constantemente preso em minha mente.
E mesmo que eu queira deixar sua lembrança ir embora
ela simplesmente não vai.
E mesmo sem querer,
seu rosto, seu jeito, seu gosto
tudo me persegue
tanto e cada vez mais.
E cada dia até parece que estamos vivendo um final feliz.
e derrepente eu realizo que você  é no meio de tantos pensamentos,
o que eu quero.
E mesmo sabendo de todos os defeitos, você ainda parece perfeito.
E mesmo eu sendo a mais errada de todas,
sou a melhor com você
ou por você.
E meu sorriso dura muito mais tempo com você por perto.
Isso deve valer alguma coisa.

domingo, 21 de novembro de 2010

Não queria dizer. Só queria sentir.
Talvez eu nem precise dizer
só precise ficar assim, em seus braços, em seus lábios
talvez eu só precise te guardar assim, em meus pensamentos
em minhas canções, em cada palavra...
mas será que você sabe?
Tento me lembrar de seus defeitos pra manter meus pés no chão
e nem eles diminuem a vontade de você em mim.
E nem minhas profundas e constantes tristezas
e nem minhas pesadas e reluzentes lágrimas
e nem toda a escuridão que costumava me envolver
apaga tua luz
que me invade tão simplesmente.
E nem todas as batalhas, e tudo que quer me colocar pra baixo a cada dia
e nem a vontade de desistir que tenta me seduzir
e nem as cicatrizes, e asas quebradas
me fazem querer te deixar passar.
Mas tento me convencer
Digo, assim, num grito silencioso
sufocado em minha alma a tanto tempo
num sussuro,
o complexo mais simples
"tudo vai passar".


"Eu fecharei meus olhos e eu me manterei afastado
Farei completamente disso o meu dia mais escuro
E eu cantarei esta canção no auge de meus pulmões
Até que este dia escuro tenha ido." 12stones
                                               

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O perfeito cada vez mais falso... contradições cotidianas.

Hoje parecia tudo diferente.

Comecei a não ouvir nada, a ponto de ouvir o som das asas dos pássaros batendo, rápido. Enquanto eles passavam alegremente diante dos meus olhos.

A quantidade de carros estava maior, e eram tantos. Mas não conseguia ouvir som de nenhum deles. Ou sentir o  vento rápido quando eles passavam por mim, quase colidindo com meu corpo que quase não conseguia dominar.

Eu dizia bom dia, até pra aqueles rostos desconhecidos, e mesmo que eles sumissem logo depois sem nenhuma explicação, eu continuei assim. Sentia os músculos da minha face em movimentos preguiçosos.
 Mas onde estava o som, eu não sabia.
 Pra onde havia ido minha voz? Meu timbre? Minha nota?
 Será que ele estava dormindo? Ou será que eu estava dormindo?
Mas logo percebi que sonho não era.
 Era tudo nítido e real, sem a névoa costumeira dos sonhos, e apesar de ser tão cedo. Aquele cedo branco querendo virar azul e um frio momentâneo que faz encolher os ombros.

Hoje eu vi as pessoas jogando conversa fora. E algumas outras, em silêncio profundo, com os sentimentos mudos gritando dentro dos olhos.
E quase pude ler uma linha de palavras desconexas escrita no céu.

Hoje meus pés caminhavam macios e o chão parecia mais firme. Primeiro pensei que pudesse ser o par de tênis branco, calçado as pressas, mas logo percebi que isso nenhuma diferença fazia.
Logo me dei conta que era meu joelhos que estavam mais corajosos.

Hoje nunca me senti tanto como parte da realidade, no entanto, em cada árvore que olhava, eu me sentia dentro dela..
Aí pegando um ponto de sanidade, vi que eu, em minha loucura, caminhava com os pés no chão e a cabeça nas nuvens. Sem me importar com a grande possibilidade de estar louca, soltei um sorriso tímido.

Hoje o trabalho foi produtivo. Mas no final do expediente me espantei ao não conseguir lembrar de nada. Nada que havia acontecido em minha sala, nada que havia sido digitado no meu computador.
Não conseguia lembrar o lugar das canetas, a posição dos papéis, o estado das letras do teclado. E nem as conversas que volta e meia começavam ao meu redor.
Com esforço, tentava puxar pela memória e já entrando em desespero, consegui ver alguns flashes. Mas eram todos de dias anteriores, nada recente.

Hoje eu estava tão presente e tão absurdamente distante.

Hoje nada me falta por agora. E a certeza de que ainda não é a hora de ser feliz. Feliz de um jeito específico criado na minha cabeça e que me convence.
Hoje me dei conta de que um sonho pode ser tão grande, que todas as pedras se fazem pequenas.
Descobri que sem querer, é quando faço poema.
Que as palavras são perfeitas em minha mente
e no papel as vezes não.
Que minha loucura é passageira, sóbria e sem refrão.
Que me tornei tão grande e fora do tom
naquela manhã em que ouvia quase nenhum som.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Quando os anjos choram.

Quando os anjos choram quase nada muda
a chuva continua caindo preguiçosa
as belas canções continuam sendo pouco ouvidas...
quando os anjos choram o céu continua cinza
e o vento gelando as almas
as lágrimas ainda passam despercebidas
e do mundo se vê quase nada.
quando os anjos choram,
tudo continua o mesmo, porque ninguém acredita que eles existem
e eles ficam silenciosos, guardando as portas
dos mais belos sorrisos
continuando invisível, esperando pelo dia em que as pessoas tenham a capacidade de ter fé
e segurem as tristezas serenas e quietas
que caem quando os anjos choram.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Permita-se

Foi um tombo
e foi feio.
Não foi o primeiro 
e a única certeza é de que não será o último.
Parecia um cascalho
agora quanto mais penso
mais tanto se assume em forma de pedra.
Pedra que do meu castelo não fará parte.
Porque castelos de lágrimas sólidas
tem solidez temporária.
Prefiro eu castelos de sorrisos, conhecimento, e vitórias.


O sólido sal provado será tentação pra doçura maior.
O silêncio me convencendo de que tudo pode ser melhor.


Dou mais valor a humildade, a coragem e a paixão.
Ao caráter, a ética e a conquista.
Aos Bons livros, Boas músicas e boas companhias.

Muito mais valor tem aquele que luta pelo o que ter,
do que aquele que tudo tem mas não sabe como lutar.

Se permita!




.
...e se errar for um fato consumado,
mantenha a cabeça erguida pra que o correto esteja sempre ao alcance dos olhos.
Mesmo quando de cabeça baixa, 
as coisas não param de se mover a sua volta.
Olhando pra baixo, não tem como se defender daquilo que vai tentar te derrubar.
Se não houver mãos que te ajudem
se segure em seus próprios joelhos.
Estar no chão é só uma chance pra conseguir se levantar!



terça-feira, 12 de outubro de 2010



As lembranças são as mais tristes.

A felicidade parece algo tão passageiro que se dissolve em nossas mãos.
O presente, é feito do bom combate que as vezes não sabemos combater.
O futuro não faz parte dos pensamentos.
E assim, incompleta, 
sabendo que o que passou não me pertence
e meu presente, uma incerteza.
Mais uma vez
eu não vejo o caminho certo
e talvez eu esteja tão cega a ponto não ver
luzes fracas piscando sob meus olhos
que por medo, eu deixo se apagar.
Ou será a coragem que me falta?
Onde está o paraíso guardado em minha mente?
Mesmo que eu não queira que ele chegue pra não me render a ilusões.
Quando estaremos juntos, em nosso mundo
e viveremos tudo o que sentimos falta sem saber se nos pertenceu um dia?
Eu me perco.
Mais uma vez eu procuro o caminho certo e não encontro.
Eu tento enxergar e não consigo, 
ou vejo e parece mto longe de mim.
Só não quero desistir dos sonhos, 
do poder de levar meu pensamento e minha alma
ao mais longe que eles possam chegar.
Só quero que eles cheguem a algum lugar.
mas sinto que estou afundando, cada vez mais
e o desespero de não saber agora é só o que sei.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Palavra.



Queria hoje achar palavras
que pudessem traduzir, mesmo que vagamente
o que sinto e não sei nomear
aonde estou mesmo sem estar
o que vive em meu pensamento mesmo sem eu pensar...

Será que é saudade?
quem vem quando menos espero
que invade quando mais preciso
que me fez lembrar que o  mundo pode não ser perfeito
mas parece muito melhor com você em meus pensamentos
ao meu lado,
tão longe e tão presente.

Ao mesmo tempo que o hábito de ser eu comigo mesma me domina
e me lembra que fico tempo demais guardada em mim,
sinto que falta você inteiro em minha metade
como a canção incompleta, como a palavra que falta
como a vontade de tentar ser melhor,
que ninguém nunca havia conseguido arrancar.

Quero não te deixar passar
quero adiar o adeus e ficar te vendo como uma estrela brilhando
no céu das minhas lembranças, no escuro dos meus olhos.
Quero te ver voar, mas não tão longe que eu possa te perder pra sempre.
dessa vez  o "tudo vai passar" me entristece
não me convence
e eu fico, no fim, tentando achar as palavras...

Há um homem, um poeta e um palhaço.

Há um homem que anda pelas ruas olhando para o nada

tendo sua mente sempre longe da onde seu corpo está.
Há um olhar que ronda cada canto não se vendo em nenhum
que procura eternamente pelo  mundo que existe em sua mente
que procura constantemente pelas imagens guardadas em sua memória
e foram perdidas em algum lugar que ele não pode mais tocar.

Há um homem que se pergunta milhões de vezes porque existem
tantas perguntas em sua cabeça
e o que na verdade significa o amor que ele sente falta
sem saber se já o viveu.

Há um homem que se pergunta se o amor existe.

Há um sonho que persegue um homem, trazendo com ele mais centenas de sonhos
que as vezes são esquecidos, quando numa manhã
some a vontade de levantar.
Há um sentimento de fuga que palpita no peito
junto com o medo de perder aquilo que ele não tem certeza se o pertence.
Há um milhão de sentimentos divididos.

Há um homem que perdeu um pedaço
mas ainda assim parece muito grande pra se juntar ao mundo de alguém.
Há um homem que quer mais do que querem lhe dar
mesmo que as vezes não lhe deem nada...
Há um homem que quer viver pra sempre
mesmo que as vezes não queira mais viver.

Que se esconde em seu quarto
e se traduz numa canção.
Mesmo que nenhuma palavra o possa descrever.

Há um poeta e um palhaço
uma palavra, e um traço.
Um menino e um absurdo.
um tanto maior que todo mundo.

Há um homem que anda pelas ruas olhando para o nada
tendo sua mente sempre longe da onde seu corpo está.

Sonhos altos.

Olhando aqui do alto
tudo parece tão distante.
Vontade de me jogar sem rumo
de me jogar num tudo
de me esconder de um nada.


Olhando aqui do alto
tudo parece tão longe de mim
e eu tão longe de tudo
perdida no meu próprio mundo.


Analisando cada pedaço
mergulhada em cada pequeno espaço
que as vezes sufoca
que as vezes se expande
as vezes espanta
as vezes se enconde
as vezes se engana...


                             Aqui do alto da mais coragem pra voar
                             na ilusão de que tudo me pertence
                             menos o meu coração
                             que voa antes de mim
                                                 e eu fico assim...
                                                       ...olhando tudo aqui do alto...
                                                                  aqui do alto dos meus sonhos.



quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Desconexo

Altamente rendida a loucura, e constantemente na fronteira entre dois lados, sendo os dois meus. Neurótica. Em certos momentos psicótica, flertando com a vontade de fugir correndo de algo, ou para algo que seja meu.

Dançando com meus pensamentos que me pegam pela mão, voando com as perguntas que nem sempre tem respostas.
Eu me encaixo num mundo que enloqueceu, em mesas já postas.
Eu me perturbo em meu silêncio, e a liberdade se prende em mim.

As vezes niilista, as vezes poetisa, as vezes cética, idéias caquéticas que param no mesmo lugar.
Vestindo máscaras e são todas minhas, várias versões de mim exploradas e descobertas, sinceras e totalmente deconexas, lógica nem sempre precisa existir.

Tentando acordar as almas que morreriam pra se sentirem vivas.
Querendo viver pra sempre e morrer no próximo minuto.

De amor, de dúvida, de medo, ou exesso de coragem...
de falta de sentido, de falta de vontade
ao mesmo tempo que a vontade de viver pra sempre invade.

Deixando me permitir e vendo beleza nisso, escurecendo o que era claro e deixando a luz me cegar.
Incontrolável, inconstante, me rendo ao instante de estar aonde estou
procuro meu prazer, exploro os pecados
Sublimes anjos indomados.
Palavras sem nexo, sentimentos perplexos
milhões de mim guardadas em um olhar.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Muito longe daqui.


Eu canso de empurrar o mundo, 
E o levar comigo.
Eu paro no caminho e todo o mundo
Fica muito, muito longe de mim.
Eu não sei se estou muito acima,
Ou muito abaixo de todo o mundo.
Imploro por uma arma, por uma alma.
Eu rezo mais já não sei quem chamar.
Eu parei de chamar quando vi que ninguém respondia.
Agora eu cansei de levar o mundo.
Quem vai me levar?
Ficarei eu aqui sem forças pra andar sozinha
Sem vontade de descobrir se estou muito acima,
Ou muito abaixo de todo o mundo.
Eu não acho razões pra ficar,
Nem razões pra continuar.
Ou elas estão tão perto de mim que eu estou fugindo
E tentando não enxergá-las.
Talvez só muito acostumada a ser cega.
Eu paro de carregar o mundo, e o levar.
E sinto todo o mundo...
Muito, muito longe de mim.

Só mais um dia vazio.


Ninguém ouve as vozes que ouço   
Ninguém ouve meu grito interno de socorro
Ninguém vê minhas lágrimas de todas as noites
Mesmo quando há alguém ao meu lado.
Ninguém entende as traduções que as músicas
Mais tristes fazem de mim.
Eu odeio aqueles dias em que não há ninguém
Em que eu sinto falta e não tenho certeza de quem.

Eu queria me levar de novo àqueles momentos perfeitos
Agora eu aqui sozinha permaneço
O travesseiro molhado e eu me pergunto
Se eu estou me negando a aprender o que é se apaixonar
Por qualquer coisa.
Perguntando-me se eu ainda acredito,
Ou se meu jovem coração está perdido.
Sem sentido.

Eu não me sinto bem assim,
Vendo todas as portas trancadas.
Será que alguém pode me ver?
Ou se eu, jovem, também estou muito perdida?
Eu odeio aqueles dias que não há ninguém
Só a presença de alguém que não tenho certeza quem,
Enquanto eu sinto falta e não tenho certeza se é de alguém.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Não dito.



As palavras que não são ditas
são cantadas.
O que é cantado,
é sentido.
Palavras nem sempre escolhidas
sussurradas em nossos ouvidos
Plantadas em nosso coração
A cada minuto que tudo se traduz numa canção.


Boas músicas, boas leituras e boas companhias.

Impressionante a influência que a música tem em mim, a imensa capacidade de traduzir todos os meus sentimentos que julgava incompreensíveis, a facilidade de me transferir apenas pra dentro de mim mesma.
Em cada nota uma lágrima, um sorriso, uma história. Não, não entendo nada de técnica ( longe disso), é apenas...sentimento.
Ela é um dos motivos que me fazem levantar nos momentos mais desesperadores, em que não há a nada a minha volta além de paredes cinzas que se fecham. É um dos motivos que fazem dos momentos mais simples, deliciosamente felizes, momentos eternos.
Ela que me define na minha incoerência. Que move minha alma. Que embala minha revolta, meu ódio, meu amor.
Se há uma fórmula, aí está ela: BONS LIVROS, BOAS MÚSICAS E BONS AMIGOS, SEMPRE!


Lembro-me de um trecho de um livro:
"... me apresso a escrever o sentimento que me inunda quando escuto música. Amo-a de um modo inimaginável, mas quase doentio e amargo. Acho impossível explicar com palavras a sensação complexa e profunda que experimento, algo de frágil e de delicado começa dolorosamente a se mover em minha alma, algo que me retesa os nervos de alegria e tristeza, sinto um quê de indefinido que deseja se expressar."
8 de outubro de 1.932_ Diário de Nina.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

..com outros olhos...

Para, respira, pensa.
Para, pensa e joga tudo pro alto!!!

As vezes as atitudes não saem muito bem como gostaríamos. Assim como a maioria das vezes as coisas não acontecem como você queria que acontecessem, ou como, pela lógica que existe na sua cabeça, deveriam acontecer.
O baque da realidade as vezes assusta, e de novo você entra naquela fase onde parece que se tem náuses de tanto que você pensa, de tanto que você sente, de tanto espaço que a inquietude ocupa.
É tudo sempre uma maldita fase, de qualquer modo.
Daqui a pouco passa......o que fica deve realmente valer a pena.
Passam anos, pessoas vão embora, pessoas são levadas, outras são chutadas por você da sua vida, e alguns erros dão voltas, e voltas, mas estão sempre ali, martelando, incomodando e, derrepente, você para naquele ponto inicial (ou final), aquele aonde você se começou a perguntar "por que eu faço isso?". Daí o start está dado e uma enxurrada de perguntas aparecem, e as consequências ficam visíveis.
Entrei numa viagem em mim mesma e no mundo em minha volta, e mais ainda no mundo parelelo que só eu entendo. Ainda estou imersa nessa viagem, sempre vou estar. E espero do fundo da alma que um dia eu tenha sabedoria pra equilibrar tudo isso.
Estive me perguntando porque se sacrificar pelos outros, ou abrir mão de coisas pelos outros se fez tão importante pra mim. O querer ajudar, assim, do nada, sem esperar algo em troca. Guardando as minhas dores pra tentar curar as dores do mundo. Não, eu não sou a melhor a pessoa e volta e meia mergulho em meu próprio egoísmo. Mas por que será que eu crio obrigações e compromissos comigo mesma, sendo que se eles não forem cumpridos a única que vai sofrer sou eu. Olhando tanto pro lado, e esquecendo de olhar pra aquela imagem refletida no espelho. Por medo, por não a entender, por achar que é perda de tempo tentar entendâ-la, por achar que ela é tão previsível...
Porque nosso pior cobrador somos nós mesmos. E na tentativa de fugir do egoísmo, somos tão cruéis com nós mesmos.
Quando eu parei, pensei e joguei tudo pro alto, olhei pro meu  lado e os olhos viraram pra outra direção. Os sonhos contados, e conversas bobas sobre "o que vai ser" soou apenas como planos idiotas de dominar o mundo, a aflição com os problemas se tornou apenas um capricho de menina, e aquelas profundas inquisões não foram ouvidas, as brigas não foram contadas, ninguém lembra, ninguém sente, ninguém viu.
Silêncio.

Até que os gritos foram dados... e eles vinham do meu portão...
Noite linda, fuga planejada em menos de 5 minutos. Dinheiro? não tinhamos lá essas coisas. Problemas?? Muitos, aqueles que parecem insolúveis, nossos problemas, e os problemas daqueles pelos quais temos um carinho absurdo. Todos eles cravados nas nossas costas.
Histórias? Também tínhamos uma porção delas, novas e velhas. Lugar pra ir? Qualquer lugar em que pudessemos ouvir uns aos outros estava valendo.
E depois de beras, e indagações, e papos realistas e verdades jogadas na cara, e meses e meses de aperto no peito saindo pela boca... os risos soltos começaram. O correr no mato, o rolar na grama, o brincar que nem criança de novo, o passado se fundindo com o prensente, e as esperanças...ah, a bendita esperança resurgindo, e isso é tão difícil de encontrar.
Eu lembrei de ver beleza escondida nas tristezas!
Encontrar pessoas que se virem pra ouvir o que você tem a dizer e se preocupem com isso é tão difícil, e as vezes não damos valor.  Não damos valor a isso, e essas coisas que parecem pequenas e bobas, mas que todos no fundo precisam.

Talvez pensar sobre isso seja a vida jogando na minha cara uma lição que eu me nego a aprender.
Talvez só esteja realmente no momento de "concertar os pedaços da vida que tínhamos antes"...
Devagar! Tudo pode ser tudo enquanto a incerteza for inspiração e esperança.
Só me resta o "agora", e o futuro que espere.
Só me resta aprender a olhar pra todos os lados mas não me perder em qualquer canto.
Cuidar de tudo que quero por perto, sem esquecer que também preciso de cuidado.
Hora de criar forças aqui do meu lado e procurar o que de bom tem por aqui.
Não da pra salvar o mundo inteiro, não da pra ser perfeito, mas da pra tentar fazer diferença. Mas dá pra lutar juntos daqueles que você acha que vale a pena.
Todos nós conhecemos o fundo do poço, ou chegamos perto dele, e todos temos força o suficiente pra respirar de novo.
Mais do que cicatrizes, dores, traumas, lágrimas, tristezas, você ganha EXPERIÊNCIA, e lições que nunca, ninguém vai conseguir tirar de você.

Post muito especial pra uma galera que me ensinou pra caramba nos últimos tempos.
"Quando alguém aponta o dedo e diz que não podemos, é aí que criamos a coragem pra fazer qualquer coisa, e cresce a vontade de chegar mais longe".
Beijos: Mahara, Manu, Daniélle, Marcio e Amanda ( ah casal, desistir não faz parte dos planos né?), Andrei, Hugo ( pessoa muito especial, mesmo), e mais uma galera que eu cito mais pra frente.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Apenas um desabafo

Queria que todas as dores e revoltas pudessem ficar dentro dessas palavras. Que essa válvula de escape pudesse curar tudo que eu não consigo curar, que ninguém consegue entender, que ninguém quer ouvir, que ninguém se importa.
Eu queria , as vezes, que eu saísse dessa linha tênue entre ilusão e realidade e ficasse em um dos lados.
Mas não é possível. Vivendo de um lado sempre tentando compreender o outro.
Tantas coisas que eu queria...
Fugir, ficar, me entregar ao meu mundo paralelo e as vezes fugir dele. Queria não achar que eu vou enloquecer ou que eu me rendo tão fácil aos meus questionamentos entrando num universo paralelo.
Queria ser sábia e controlar minhas palavras e meus sentimentos de raiva de tudo. Queria parar, pensar antes de jogar todas as teorias, pensamentos, infelicidades, descontentamentos, perguntas...
aquelas sem sentido que quase ninguém se faz.
Desde as coisas mais complexas e as viagens mais profundas, os mundos mais obscuros,
até as coisa mais simples e bobas, que parecem as vezes que não importam, mas só eu sei como fazem diferença.
Eu vejo desigualdade e pessoas sem sentido a todo momento, eu vejo alguém sem talento estar no topo e vejo alguém que realmente é bom em algo, esquecido por tudo e por todos.
Eu vejo pessoas sem coração se banhando em rios de dinheiro e futilidade, e vejo alguém realmente merecedor de algo bom, que sabe ser HUMANO, não ter nada. Sendo chutado, sendo jogado, sendo apedrejado pelos outros, pela vida. A cruel vida, e o destino que as vezes zomba de todos nós e zomba dos que se acham mais importantes que ele, mais importantes que tudo.
Eu vejo guerreiros lutando dia e noite sem nunca vencer a guerra.
Eu me vejo incapaz, e impotente de salvar a mim mesma e a todos.
Descontente, as vezes nem tão presente, eu aqui e o pensamento longe.
Eu vejo meu mundo sendo violado por todas as regras e convenções que não me dizem nada, e que por algum motivo eu tenho que seguir.
Eu me vejo tendo esperança em algo, acreditando que um dia as pessoas se lembrarão de serem humanas.
Sem esperar ganhar coisas em troca, sem desmerecer as belas palavras, as poesias cantadas,
os bons corações e as boas canções.

domingo, 22 de agosto de 2010

Canto dos descontentes...




Não sei se é raiva
se é tristeza...
se é o fato de ser tão descontente
com tudo, com o nada,
com a sensação de aqui não é meu lugar.

Não sei se é fato de me encontrar longe da realidade
ou tão próxima dela,
ou se é a vontade de fugir, de correr pra algum lugar...
pro que conheço,
pro que nunca vi
pros seus braços
pra longe de ti.

Eu não sei se é a vontade de conhecer o céu
ou a necessidade de o desconstruir.
Não sei se é o tempo que me põe pra baixo
ou se é o fato de eu não conseguir levantar que me entristece.

Não sei se são lágrimas, ou segredos derramados.
Não sei se são palavras ou confissões.
Meu início ou meu fim.
Não sei se é poesia ou despedida.
Se é a vontade de querer ser melhor, ou o dom de deixar tudo pior.
Simplesmente não sei porque me pego implorando
pra achar as respostas.
E quando as encontro elas não me servem.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Agradeço-te

Agradeço-te
por ter me lembrado de mim mesma
Por ter me jogado de novo ao meu abismo
por ter me prendido de novo em meu universo
por ter feito eu abrir os olhos quando eu queria me cegar
por ter me dado um feixe e luz quando tudo que eu via era escuro
por ter me lembrado como cantar cada nota
e de como eu posso ser livre presa a meus próprios pensamentos
obrigada por ter me dado um último fio de esperança
e ter deixado agora
que esse fio se partisse.
Agradeço por lembrar-me das minhas asas
E agora me deixar sem elas.
Agradeço por pegar minha mão
E agora me deixar cair de novo.

domingo, 8 de agosto de 2010

Sem um som...


Em entrelinhas, as dores escondidas
as linhas que falam a verdade sem um som
cada vida se misturando
e você não se encaixando em lugar nenhum.

E se meu mundo for tão grande que não cabe no mundo de ninguém?
E se tudo pelo que luto não for meu?
E se eu estiver tentando roubar uma felicidade que nunca vai me pertencer?

Tente apenas recuperar o fôlego
ainda não é hora de desistir
de você mesmo.

Qual a próxima frase sussurrada em meu ouvido que me fará
ver que eu sempre luto por uma causa perdida?
Qual o próximo passo que eu darei pensando em dar um suspiro
sem conseguir respirar?
Qual a próxima vez em que eu tentarei me prender ao chão
quando minha cabeça está nas alturas?

O que você esconde?
qual amor você perdeu?
e se tentar já não for o suficiente?
E se meu mundo não couber no seu?

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Dos maiores absurdos

Estou tão perto de mim, tão longe do chão
tão longe de tudo e o mundo nas mãos.
Eu vivo ao contrário, eu mudo o cenário.
Eu nem sempre ensaio e as vezes acabo o show.
Sou quase um artista, palhaço, equilibrista
estou perdida na pista
eu crio, embaço a vista
queimo folhas, toco o som.

Eu não sou poeta, nem racional.
nem de todo mal, altamente anormal.
Extremamente sentimental
quem manda no meu mundo sou eu.
Sou o romance mais puro
o grito mais estridente
as lágrimas da gente
a Julieta, ou meu Romeu.

Apenas uma criança
numa mulher, a esperança
de que a noite é nossa, o dia talvez não.
Construo o presente quebrando o passado.
Eu abandono e sou abandonado.
Um rabisco, um parágrado
da chuva eu sou o trovão.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Viaje para as nuvens, e volte ao chão..

Diferente
brilha uma estrela,
eu corto minhas asas e dou pra você.
Podendo voar e se prendendo ao chão.
com aquela mágica junção
de viver e sofrer.

Te vejo ao meu lado
os olhos fechados
me perco em seus braços
e não quero sair.
Te levo as alturas
constante aventura
estamos indo pro fundo e só queremos fugir.

Seus lábios me levam
o som me domina
perco os sentidos e só penso depois.
Derrepente eu me lembro
me calo e tento
não pensar tanto no que é ser nós dois.

Doce loucura, eu perdendo meu jogo
eu nunca fui tanto o que realmente sou.
Arranque o menos lógico
Arranque o menos óbvio
Arranque o mais contraditório.
Arranque o meu melhor ódio
e o meu pior amor.


Listening_o poeta está vivo.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

A falta_


Eu prometi nao chorar
então porque as lágrimas embaçam minha visão agora
A tristeza cobre meus pensamentos
como um véu fino
que faz toda nitidez sumir.
como se tudo fosse se apagando aos poucos...
como se eu fosse me apagando aos poucos...
...O que me falta?

Eu prendi uma imagem na minha cabeça
mas não posso te prender ao meu lado.
Eu prendi uma voz aos meus ouvidos
mas não posso te obrigar a dizer o que minha alma quer ouvir.
Eu prendi minha respiração
mas não posso segurar o ar aqui comigo.
Eu prometi não me esquecer num canto
e agora me flagro perdida em você
esquecendo de mim.
Eu prometi não mais acreditar
então por que eu me importo?
Eu prometi não tentar ser anjo
então por que eu quero te dar asas?
...O que me falta?
eu espero acordar
e voltar a cumprir minhas promessas.
Eu não sei lidar com o que não conheço
eu não sei lidar com tudo que me falta.

Eu prendi minha alma
mas agora ela insite em voar.
Eu prendi o tempo pra ele não fugir
e agora ele se foi, roubando de mim
tudo o que agora me falta.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Se precisasse de alguém pra guiar meus passos
Que me dissesse o que devo fazer
Se tivesse alguém que não me assistisse morrer
Um pouco assim, como você...

Se tudo fosse antes de eu cair
Se tudo fosse antes de eu me acabar
Teria sido menos uma cicatriz
Teria sido mais fácil de não...

Voltar...

É inevitável quando se quer perder
Abandonar o passado e se reconhecer
Então pra que voltar? Não posso decidir
Entre ficar em você e ficar em mim.

Se tudo fosse antes de eu cair
Se tudo fosse antes de eu me acabar
Teria sido menos uma cicatriz
Teria sido mais fácil me levantar.
Contradizer...
Não estou salvo, não posso salvar você.

“ Quantas vezes caí e não levantei, quantas vezes perdi e nunca chorei”.


2005.

O tempo que passou...


HÁ algum tempo atrás vi que você não é mais como foi um dia e procurei desesperadamente por algo que tivesse ficado de quando te conheci.

Ouvi algumas músicas e reli suas palavras, mergulhei num tempo em que a gente pensava que tudo durava pra sempre.

Olhei no espelho e lembrei que também não acredito mais nas coisas que acreditei um dia, e que meus hábitos já não são tão bons como os de antigamente.
Era tudo melhor quando não estávamos fingindo... E era tão bonito.
Apenas não temos mais o tempo que passou.

O que queríamos já não é suficiente e pra você já não existe o eterno, ou o sincero.
O olhar que antes se encontrava agora se desvia, o “deixar tudo de lado” já não é freqüente. E as verdades antes escancaradas agora teimam em se esconder.
Percebi que nossos amigos não são mais os mesmos, que muitos dos planos que tenho, pra você vão ser sempre sonhos tolos.

HÁ algum tempo atrás percebi que podemos nos tornar a pior das criaturas, e mesmo assim, nossos sentimentos foram divinos um dia.
Um dia que não se repete...

Outubro/2005

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A carta...

Hoje eu escrevi uma carta.
Me pareceu uma carta, pelo menos.
Ao longo do papel em branco
aquelas palavras que não são ditas
foram tomando uma forma de confissão.

Hoje eu escrevi uma carta.
como se eu ainda estivesse sonhando.
Como se nada que eu escrevesse
fosse bom o suficiente pra traduzir o que sinto.

Hoje eu escrevi uma carta.
Com pensamentos soltos,
tentanto explicar o que eu não entendo
tentando talvez espantar o medo..
que tenho.

Hoje eu escrevi uma carta,
daquelas que se escreve quando está sem armadura.
uma daquelas cartas..
que nunca serão entregues.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Tudo pelo que?


É tão bom e tão ruin quando se busca respostas constantemente.
Me invade a sensação de que está tudo errado, de que as coisas estão flutuando tentando ficar no lugar.
Mas a vontade é de sair correndo pra longe de tudo e de todo mundo e só voltar quando tudo ficar certo de novo.
Só voltar quando for possível voltar o tempo na melhor fase da vida, a mais sincera.
Infelizmente (ou felizmente) não é assim funciona, a gente tem que vestir a armadura invisível e sair pra lutar todo dia.
Enfrentar os monstros imaginários que vão aparecendo.
A diferença é que tenho certezas que todos os dias caem por terra.
A diferença é que chegou a um ponto tão inocente, tão burro ou tão inexplicável que eu ainda tenho a esperança de que tudo vai passar...Tudo vai passar pra voltar a ficar certo novamente.
Ou ser certo pela primeira vez.
Tem dias, e principalmente,noites em que se precisa ter um pouco de esperança.
Daí eu percebo que apenas cresci, mais um pouco, de novo, rápido e quase sem perceber.
Que os objetivos que nos guiam de alguma forma nos acalmam, nos abre a mente, espande a visão e fazem ver, mesmo que ainda de forma meio embaçada, mais do que apenas buracos negros.
A gente vê que muito do que se fazia não era tão legal assim, que pelo menos metade das pessoas que conhecemos não são importantes.
Revemos conceitos, morremos de saudade e tentamos sempre ser melhor do que somos...
Por alguma coisa...
por alguém...
por nós mesmos...

...Tudo por você... Tudo pelo que sou quando estou contigo.

E agora, só o nada...


Postagem de 28/02/2010_ (perfeitofalso)

Vão ter noites em que eu não vou aguentar a pressão, noites em que eu vou simplesmente pirar, agir sem pensar e dizer coisas sem sentido.
E a única coisa que preciso é que alguém acredite, em mimm, em tudo, em qualquer coisa.
Era o que precisava, e é o que preciso, e só eu quando garota querendo ser mulher, e mulher insistindo em ser criança, tentando provar que não preciso de ninguém, sei o quanto essa necessidade abre um vazio que parece não ter fim.
E eu sei que todo mundo surta assim, e pira assim, e se sente como se tivessem olhares a sua volta constantemente esperando pra te ver cair, esperando pra te ver errando de novo, chorando de novo, confessando de novo, rastejando de novo.
O prazer delas pode me ver no chão, frágil e de guarda baixa , mas o meu prazer é tentar concertar, aquilo no qual ninguém acredita, aquilo pelo qual ninguém da nada.
E que eu seja tola por isso...Eu não entendo o que me faz seguir um sentimento que aos olhos de todos é uma causa vazia, eu não entendo como posso sempre achar desculpas, eu não entendo como posso fazer tudo por mim, pensando em outro, e quando tomo consciência vejo que apenas procuro o " nós", que se perdeu.
Que ainda não encontrei, que eu não sei se quero ter.
Eu sou louca.
Eu dou extrema importância a promessas.
Eu ainda guardo segredos.
e me animo com sorrisos.
Eu ainda choro ouvindo música de madrugada.
Eu ainda associo uma música a cada pessoa que conheço.
Totalmente louca.
Ainda acredito em amizade entre homem e mulher.
Ainda acredito em amor eterno.
Eu ainda me distraio lembrando coisas boas de tempos passadoS.
Eu ainda escrevo cartas e me preocupo com quem nem merece.
Eu acredito naquilo que ninguém bota fé.
E no meio de tantas coisas normais...
Sou eu e minhas loucuras.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

...só que agora é diferente...

As pessoas estão se destruindo e tentando se esconder umas das outras, as vezes em outras pessoas.
No final o pensamento só em alguém especial, mas parece tão mais certo não fazer nada certo.
Se perder por ai.
Acordar e lembrar que não se tem aquela pessoa é tão vazio, não ver o seu sorriso é tão vazio, então por que diabos gostamos de nos perder?
E fazer coisas que não fazem tanto sentido assim?
...por um sentimento bom que é momentâneo e acaba na manhã seguinte?
Um sentimento que só me fez pensar que eu posso viver as histórias mais loucas com dezenas de pessoas, mas ainda me falta um olhar, aquele olhar, que ainda nem é meu, e eu já estou deixando escapar.
Porque o medo é sempre maior do que todos nós.
Porque nunca queremos admitir que nossos sentimentos já não nos pertecem.
Todos querem alguém e eu sou uma daquelas que não quer qualquer um.
Sempre penso que é melhor viver sozinho também, afinal eu vou estar sozinha no final de qualquer forma.
Mas eu realmente queria saber porque dessa vez é diferente, porque dessa vez parece que eu entrei num universo totalmente diferente, e eu deixei uma vida inteira pra trás.
Por algo que eu penso que talvez não de em nada, e estou sentindo aquela vontade de me arriscar mesmo que eu caia contra uma parede.
Eu estou pulando no escuro e já sinto que eu vou me machucar, então porque eu não paro?
Porque dessa vez nem o pessimismo me impede de ter pensamentos loucos?
Por que eu acho que vale tanto a pena?
Porque tudo está fugindo do controle agora?

quinta-feira, 8 de julho de 2010

É só você lutando contra seu próprio orgulho...


Não sou de ficar criando muitas teorias, na verdade constantemente eu tento colocar em questionamento todas as teorias. Inclusive as minhas.
As vezes da certo, as vezes é tolice e as vezes eu me pego tentando dar mil justificativas para mim mesma sobre meus próprios pensamentos. Como agora.
Agora em que eu me pergunto por que não se apaixonar? Dezenas de respostas aparecem.
Quando isso acontece você entra num estado onde realismo e frieza já não existem. Parece que você está a ponto de pular de um abismo constantemente. E sua
cabeça vira um ponto de interrogação.Você tenta fugir correndo de quem você quer por perto, simplesmente porque assumir o que sente é um erro.
Você tem a certeza que vai sofrer no final. É um caminho que não tem volta. Você perdeu. Tudo deu errado.
Você cria algo na sua mente, e a vida real te trai.
E a outra pessoa não tem culpa de você ficar extremamente irritado por não conseguir parar de pensar nela.
Você sente medo. Euforia. Mete os pés pelas mãos.Age como um adolescente no colegial mesmo com quase 30 anos.
E você não quer confessar que se rendeu a um sentimento, e cria várias teorias mirabolantes, sensatas e insensíveis, simplesmente pra não assumir que você
não quer sofrer.
Que você não quer acabar como todos os outros.
Porque você se acha bom demais pra isso, porque você não quer que se sua vida se resuma a isso.
Você não quer que sua vida de resuma a nada, quer ela por completo, cada minuto, segundo, seu, dominado.
Não ter o poder sobre seu pensamento te incomoda.
Pensamentos, imagens, lembranças e perguntas se juntam, se batem e repelem. Só se quer fugir. Do que?
Já não temos tanta certeza.
Fica se perguntando por que as coisas não podem ser como eram antes. Você tem medo que o bom estrague,que a cerveja ague, que o show acabe.
E isso são mais e mais desculpas.
É você lutando contra seu orgulho e egoísmo.
É você sendo mais um tolo.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Não se pode viver com medo!

Você está correndo contra o tempo, e tentando usá-lo a seu favor.

Cada dia que passa, é como um passo pesado, que você tem que dar, e quer dar, pra chegar ao ápice de tudo isso. Para chegar onde seus sonhos estão esperando pra serem vividos.

Contraria muitos, se une a alguns. Sentimentos, lágrimas, dores escondidas, dores escancaradas. Sorrisos soltos, cúmplices! Você tenta provar a cada dia que é muito mais do que parece ser, e quer muito mais do que querem te dar.

E você sabe que não vai viver pra sempre, por isso cada dia é tão precioso. E quando você dá um passo retrocesso, tenta fazer disso uma lição, e logo, rápido, tem que ir pra frente de novo. Os erros cometidos, as decepções, não dá tempo pra se arrepender.

A vida não dá tempo pra você ficar parado, ou pra você se recuperar. Cure suas cicatrizes sob o sol, derrame suas lágrimas em baixo da chuva, se mostre numa canção, se perca numa nota, faça seu mundo novo. Faça do seu jeito.

E desistir não faz parte dos planos! Nunca fará!

Você sabe que está deprimido, e que várias forças e pensamentos soltos querem te puxar pra baixo a cada minuto, mas também tem a certeza que se manter em pé é seu maior desafio. Tente vencê-lo. Corações quebrados podem vencer a luta. Corações quebrados também podem sorrir. Não há uma segunda chance. Você não sabe se terá outra vida.

Mesmo que o navio esteja te levando pra longe daqueles que se importavam se você esta vivo ou morto, se prenda a aqueles que se importam em lutar com você. Muitos aparecerão no meio do caminho. Alguns vão querer chegar com você até o final, mas você vai fugir. Você vai querer que alguns vão até o final com você, mas eles vão embora. Todos vão embora alguma hora. Mas se você tiver sorte, conseguirá se tornar um com quem está indo pro mesmo lugar que você.

Faça valer a pena até a hora que um adeus for inevitável.

Apenas não volte, nem olhe pra trás, se não for pra aprender algo com o que passou.

Você não terá uma segunda chance!

É sua vida, sua estrada, seu último tiro, sua última bala.

...não se pode viver com medo...

sexta-feira, 2 de julho de 2010

...está sempre chovendo em minha mente...


Algumas coisas que eu aprendi nos últimos dias.
1. Nada é tão ruin que não possa ficar pior.
2. Sou uma romântica tentando não ser, em permanente tentativa de cura.
3. As vezes quem se importa com você são todos, menos aquele com quem você se importa.
Isso magoa de uma forma enorme.

Mas eu tinha esquecido como era essa sensação.

e mais..
as vezes aquele com o qual você mais se irrita, é o mais parecido com você.

Não ligo de ficar trancada no meu mundo as vezes, eu até tento prestar atenção nas perguntas e conselhos dos outros, mas tem tantas perguntas na minha cabeça que as vezes eu não consigo nem organiza-las.
Cada pedra no caminho vai formando um castelo, mas sinto que estou presa nesse castelo e não consigo fugir.Tento derrubá-lo constantemente.
Eu queria não me render a fantasias, e ser realista e racional, mas meu coração grita coisas muito mais alto de forma estranha, que eu quase nunca entendo. Ouço e não consigo decifrar.
Assim os dias vão se passando, e eu dando importância pra coisas pequenas que juntas formam a maior tempestade dentro da minha cabeça.
Um dia essa tempestade...cai.
E tudo que questiono, tudo que espero, tudo que sinto, tudo que me enlouquece e faz eu ter atitutes burras,cai de uma vez só.
E eu não quero assumir nada, nem confessar, porque minhas verdades momentâneas e pensamentos antiquados as vezes assustam.
Sou eu tentando não afastar os que gosto, mas minha tentativa é um fracasso.
Simplesmente porque não quero demonstrar que gosto.
Sou eu lutando contra meu orgulho bobo e infantil.

Listening_Stain_Epiphany.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Até a hora de dizer adeus...


Sorte minha se eu conseguisse parar de olhar pro nada e ver seu rosto.
as coisas seriam mais fáceis.
Me render não estava nos planos,
então por que essa vontade de você simplesmente não me deixa?
Você quase não acredita que eu possa me apaixonar, e eu tenho a certeza de que você não irá.
Chega a ser divertido não acreditarmos.
Então por que essa vontade de ver seus olhos não me deixa?
Agora só o que eu quero é ficar sozinha, por algum tempo, por algumas horas.
então porque essa vontade de ter seus lábios não me deixa?
Por que essa vontade de ouvir sua voz agora?
você nem me recitou poemas bobos, ou histórias tão loucas, ou fatos fascinantes, mas mesmo assim eu fiquei hipnotizada, viciada, mau acostumada...
por que essa vontade de você não me deixa?
Por que eu estou tentando não me entregar aos meus desejos, e estou fugindo?
Adoráveis borboletas perdidas, querendo voar sem rumo e ao mesmo tempo querendo ficar...
Em um momento estamos aqui, no outro já nos perdemos.
Por que essa vontade de você simplesmente não me deixa?
Não me entenda mal, é que você é perfeito até com seus defeitos.
Imcompreensível...
Estou fugindo por todas as razões que me farão chorar se eu ficar.
AS histórias na minha cabeça já estão preparadas para o fim a cada minuto que passa.
Mas tem a tal esperança...
Sentimentos devem acabar com esperança.
Infielmente sua, me tornei.
Eu conheci alguém que me fez quebrar todas as minhas regras, e não dar importância a todos os outros rostos. Eu conheci alguém que me fez acreditar em nada e rir de mim mesma.
Um beijo, e eu tive a certeza que podia viver nesse beijo para sempre..até meu "até logo", que esconde até "nunca mais".
até quando, com um sorriso no rosto, dizer adeus.

( o que era pra ser uma música, virou um texto enorme)

quinta-feira, 24 de junho de 2010

o que eu senti, o que eu fiz...e tudo que está por vir...


Hoje eu tento escrever mas é difícil.
Centenas de pensamentos na minha cabeça, e poucos deles eu consigo definir, ou explicar, ou me faz chegar a alguma conclusão.
Para o mundo que eu preciso descer! De novo!
O caminho está ficando estreito e desconhecido.
Mas ao mesmo tempo estou com aquela sensação de que "já passei por aqui"
Estou me entregando a minha vontade de querer que quase tudo suma, e me deixe em paz. Estou querendo me trancar aonde só as pessoas queridas podem entrar.
Estou procurando algo real, mas tudo parece tão ensaiado.
São tão poucos anos e tantas histórias, e decepções, e lágrimas que as vezes parece que o caminho é longo demais pra eu conseguir aguentar.
Mas que tolice, isso ainda não foi nada...

Aquela nostalgia costumeira me invade, e eu fico flertando com quem eu era constantemente.
Junto cada pedaço do que eu fui, e tento desvendar o que sou, o que me move, o motivo que me faz acordar, e...
eu não acho respostas.
Ou as respostas que acho não me satisfazem.
a eterna sensação de que tudo vai melhorar, mas no fim pouca coisa muda.
é quase a mesma história, só os rostos são diferentes, e vai ver eu que estou escrevendo a minha história de forma errada.

Eu ainda penso que tem algo aqui que eu não consigo enxergar e a mania de tentar me corrigir, e me questionar, e me coloco em cheque, e perco pra mim mesma.
E fico entre o revoltado e o indefeso, o improviso e o ensaiado, o displiscente e o perfeccionismo, o deixar tudo de lado, e o fazer tudo certo.

o agora, e o passado...

domingo, 20 de junho de 2010

Pegue minha mão...está na hora de fugir...

Queria tanto que as coisas fossem como imaginei.
Não fáceis, nem perfeitas, nem exemplares ou dignas de inveja, apenas do meu jeito.
queria alguém em quem confiar quando eu penso que está na hora de mudar totalmente o que estou sendo agora, e começar uma vida sendo quem eu realmente sou.

...eu estou ficando cansado e preciso de algum lugar pra recomeçar*...

um apartamento, um violão, uma banda, um emprego novo, alguns livros novos,são tantas as coisas tão pequenas, e que significam o meu pequeno mundo. O mundo que eu quero e não tenho. E por que diabos eu não o tenho?

Aquela tal pessoa em quem confiar, aqueles planos esmagados pra não serem vistos, aqueles milhões de pensamentos e palavras ensaiados e que simplesmente nunca foram ditas.
Aquele medo...covarde...
Aquela necessidade de ter alguém que te ouça por horas sem dormir, e sem fugir, e que você possa ouvi-la também e se perderem juntos em pensamentos e viajens mirabolantes.

...E se você tiver um minuto por que nós não vamos
falar sobre isso num lugar que só nós conhecemos?**...

...Coisa simples para onde você foi?
Eu estou ficando velho e preciso de algo em que confiar
então me fala quando você vai me deixar entrar***...

eu quero minhas coisas simples de novo, eu quero aprender a voar de novo, pois desde quando prendi meus pés no chão, eu nunca mais consegui sair do lugar.
eu estou dando voltas, e colocando personagens novos, em histórias antigas. E me perco na minha própria falta de sentido.

A raiva de mim mesma se torna tão grande que as vezes eu inconscientemente jogo a culpa em alguém,
mas essa é MINHA vida.
E essa é a melhor coisa, e meu pior carma.
Conviver com nós mesmos é tão difícil, vontade constante de fugir...de achar o que nos falta... de pegar o que nos completa..

...Eu andei por uma terra desabitada
Eu conhecia o caminho como a palma da minha mão
Eu senti a terra sob meus pés
Eu sentei ao lado do rio e ele me completou.
...Eu encontrei por acaso uma árvore caída
Eu senti seus ramos olhando para mim
Esse é o lugar que nós costumavamos amar?
Esse é o lugar com o qual eu tenho sonhado.****

Certas músicas nunca fizeram tanto sentido pra mim...

*Listenig_somewhere only we know.

http://www.youtube.com/watch?v=qX83X4vtZCs

quinta-feira, 17 de junho de 2010

o que te domina?


Você vê tantos ao seu redor
e todas as palavras que eles dizem parecem tão vazias pra mim.
Ensaiadas, e ditas tantas vezes, e você se torna apenas mais um.
Mas não consegue perceber, e pra você tudo isso faz tanto sentido.
E por que pra mim não faz?
por que pra mim o comum é tão falso?

Você acha que todos que te falam as mesmas coisas, são os que se importam com você.
você não leva em conta que as vezes quem parece mais distante é o que está mais perto.
Você não se pergunta porque eles estão distantes.
você pensa que tudo se encaixa em suas teorias, e adivinhe...
nem todas as suas teorias cabem a mim.
nem a vida...
Você não se pergunta "e se?"...

e se fugir de tudo, e se parar de fingir for o melhor, e se eu me render, e se cair de amor, e se pegarmos o destino pela mão e o levarmos aonde quisermos...

e se essa é a hora em que vc encontra no que acreditar, e se esse for o caminho...

e se eu mergulhar de cabeça dessa vez, será que eu vou conseguir ir embora quando preciso?

...você se sente preso, mas a prisão é em você, e você não pode fugir de si mesmo, a loucura te domina...

terça-feira, 15 de junho de 2010

você pode sentir isso em suas lágrimas...


Fugir é a única coisa que vem a minha cabeça
quando a única vontade que tenho é a de me acabar.

Quando tudo se torna tão grande dentro de você...
uma hora você precisa explodir, e acabar com tudo.
Você tenta mudar e não consegue...
e você tenta fugir de você mesmo,
ao mesmo tempo que tenta se encontrar.
pensamentos confusos te invadem...
nada mais faz sentido...
você não confia em mais ninguém...
a já não há mais ninguém que confie em você.
Que veja através de você...

Tão acostumado a esperar o pior de tudo,
tão acostumado a perder,
e essa vontade de desistir que é constante,
ronda, entorpece, enlouquece...

minha alma já não aguenta,
minha mente já não se explica,
minha vontade de ser salva não é vista,
e quem sabe nem seja existente.

algo que me faça acreditar...
que me faça acordar...
que não queira me guardar apenas como mais um dos quebrados.

tudo o que eu quero dizer,
é que eu não quero sentir medo.
Será que você pode me ouvir?
segure meu último suspiro...

quinta-feira, 10 de junho de 2010

me diga que eu fiz parte da história...


Saudade é uma coisa ruin e constante. Ao mesmo tempo que dói,me faz soltar sorrisos quando lembro de tantos momentos bons que vivi.
Tantas coisas, em poucos anos. Tantas lembranças de um tempo que está ficando cada vez mais longe, tantas pessoas que se tornaram distantes. A distância que se tornou tão maior.
As vezes eu queria viver velhos tempos de novo.

As manhãs geladas e a grama coberta com geada, enquanto iamos comprar picolés as 06:30 da manhã, e não importava se iamos parecer loucos, ou se iamos ficar gripados.
Os risos no fundo da sala, as histórias na arquibancada, os projetos, os passeios, os casos,as brigas,os beijos, os amores passageiros...
os doces de amendoin na banca da esquina, a cerveja no posto, a hora do almoço fazendo loucuras no parque embaixo do sol, a hora de fazer vaquinha pra não deixar um amigo na mão, as badernas no ônibus...

As tardes atravesando a cidade pra visitar alguém, as piras pelos parques, shoppings, os passeios no trilho do trem, as pizzas caseiras, o cineminha em casa, o ano novo com as amoras ( como foi bom *-*), os banhos de chuva, os programas de indio, as festas que não deram certo...
...
as músicas, as filosofias baratas...
os shows ruins, os shows super bons!! a noite na rua, a noite em qualquer lugar que tivesse bebidas e risadas, os amigos que se perderam, os rostos que não vou mais ver.
As caminhadas as 5 da manhã, a volta pra casa as 06 da manhã ouvindo Misfits, e pensando que pode nada estar certo, mas eu tinha curtido muito e feito valer a pena.
O mosh visto de longe, a tarde jogando conversa fora na praça do ópera...

os dias em que eu saia sozinha, passava a tarde toda sem rumo e voltava pra casa pensando " um dia tudo vai mudar".
os caminhos errados, as renuncias, as certezas, as duvidas, as esperanças, o tempo que não volta, o tempo em que eu era feliz..
e sabia!!!

mas agora, como antes, e ainda busco a felicidade quer perdi em algum lugar,ainda pensando
que um dia...
tudo vai mudar.

___________________________

...dia após dia, sua vida é inteira é uma ruína,
E o poder de apenas respirar desce sua garganta
Você não tem nenhum respeito
Você não tem nenhum alívio
Você começa a falar alto e a gritar perdendo a tranquilidade.
Então retire suas regras
para traz com suas tolices
Por que estou enjoado de não viver
Apenas ficar vivo
Me deixe em paz
Eu não estou pedindo muito
Eu não quero ser controlado
É tudo que eu quero
Quanto tempo isso vai levar
Até que alguem ao seu redor escute o que diz
Você tenta ser legal
Você se sente como uma mentira
Você tem jogado com as regras
Agora é a vez deles tentarem...
Eu já disse isso antes
Eu vou dizer de novo
Se você não pode apenas escutar
Então faz sentido...

All I want_
trilha de anos atrás!!

__________

LET'S BE FREE AGAIN!!

terça-feira, 8 de junho de 2010

take me away from here...

Sabe quando você para e percebe que você não é nada. É apenas uma gota no oceano, que pode desaparecer a qualquer hora, e ninguém,absolutamente ninguém, vai sentir falta?
Sabe quando você sente que por melhor que você possa ser, você nunca será boa o suficiente?
que tudo que você quer é demais pra você, que você sempre vai acreditar demais em pessoas erradas,e que tudo ficará sempre tão longe de suas mãos...
aquela hora em que todos os seus sonhos vão desmoronando aos poucos e não tem ninguém pra ajudar a levanta-los.
a hora em que você sente que não há ninguém que te entenda, ou que se importe.
E a certeza de que sempre será você, sozinho, com suas idéias e pensamentos estranhos.
a hora em que você quer fugir pra um universo totalmente diferente.
mas esse universo não existe...

Eu queria aprender a viver num mundo sem sonhos e expectativas, sem muitas crenças em dias melhores, queria ser mais fria e calculista, e queria que toda a minha visão realista das coisas fosse mais prática e menos teórica.
Assim não existiria sofrimento, ou tristeza, ou lagrimas.
Eu queria poder acreditar mais nas pessoas, nas coisas...
eu queria que tudo isso que eu acabei de dizer tivesse alguma lógica, mas acho que não tem...
eu queria acreditar que tudo vai passar...
mas tudo sempre volta...


listenig_Kamelot.

Entre o bem e o mal...


É estranho como as pessoas criam uma imagem de você que as vezes te surpreende.Alguns te vem como anjos, outros como demônios, alguns te enxergam como heróis, outros como monstros.E nunca se saberá o que afinal de contas somos no total, no fundo alguns são tudo isso, outros vão mudando de acordo com situações, pessoas, sentimentos.
Eu ainda não sei se sou mais anjo ou monstro, e é muito bobeira tentar achar o que mais me domina.
É tudo relativo, está tudo na tal dualidade, assunto que uma certa pessoa me lembrou hoje. Somos todos feitos do bem e do mal, as vez um se faz maior que o outro, as vezes o equilibrio é tão grande a ponto de haver confusão... somos todos uma pergunta.
Já fui querida demais ( estranho falar assim) e ao mesmo tempo que é bom, é ruin.
Num mundo onde tudo ficou bruto e frio, essa sensibilidade é vista como uma fraqueza ( eu vejo como um qualidade, quase... mágica), os que são queridos ou bons demais, as vezes sofrem demais.
Não sou uma criatura efusiva, e prezo pela diplomacia, educação ou descrição ( as vezes esses 3 elementos não funcionam, mas isso é assunto pra outro hora rs').
Não quero magoar mas as vezes o faço na tentativa de ser sincera ( quantas e quantas vezes o equilibrio nos foge entre os dedos).
Não gosto de que pessoas aleatórias criem liberdades que não dei, e mais do que apenas um mecanismo de defesa pra não sofrer tanto como antes, é uma questão de escolha.
Posso falar e conhecer centenas de rostos e gentes mas poucos serão aqueles que quero realmente ao meu lado, não porque sou melhor do que ninguém , mas é minha vida. Todos escolhem.
E os meus escolhidos, sabem quem são, e sabemos quando somos escolhidos.
A rede da vida... é assim...

Tenho também o grande defeito de as vezes magoar os que gosto com meu jeito defensivo e desconfiado, e isso magoa mais a mim do que a eles.

Porque no meio de todas essas impressões, defesas e achismos, só quero que as pessoas com as quais me importo, me conheçam como realmente sou.
Hoje alguém me lembrou, que isso basta.

...Ainda misturo realidade e fantasia...
tenhos sonhos mágicos e crio histórias de amor.
Gosto de fadas, vampiros e músicas bonitas.
solto sorrisos largados e tenho crise de riso.
Gosto de dias cinzas e ventos gelados, mas
também amo céu azul, sol brilhando, frio...
protejo os que amo, as vezes me entrego e confio fácil, e não me importa ser taxada de boba, ou louca...

sou uma contradição, uma balança, e mais do que alguém curta e grossa..
...louca ou tola, é assim...

Renda-se como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Eu sou uma pergunta.( Clarice Lispector)

(Beijos muitos especiais pra Manu,Caio,Isa,Lucio,Dani,Hugo,Sponja, e pra todo mundo que merece beijos).